• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Agora eu que quero ver
    Dessa criatura, quem segura as pontas?
    Quem vai pagar as contas à dever?
    Se tem alguém que atura sem tanta cachaça
    De careta tu rechaça, vai entender...
    O tamanho da encrenca e da treta
    De acordar e dormir
    Todo dia com essa raça consumir
    Uma pá de pó e manguaça
    Anestesia pra terrível sensação de ser consumido pela traça
    Pesadelo medonho, vendo rato e barata
    Ratos eram reais
    Era sonho? Que nada...
    Tava me saindo muito mais que caro
    Então eu acordei, a casa não queimei
    Mas me livrei do rato,
    o preço da barata nem saiu no meu extrato
    Não precisei pagá-lo, já tinham me avisado
    Do rato já pisado e da barata que pisaram
    Saiu creme nojento
    Aquilo que tem dentro alguns presenciaram
    A casa não é minha,
    muito menos a vizinha que sorria pra mim
    Não de mim que ela ria, bem naquele intento
    E há diferença? Então dá licença, era ali que eu comia
    Ali que eu dormia como todo mundo
    sabe eu tomava o meu banho, a minha hospedaria
    Por que casa não é lar, meu lar não era lá
    Lugar que não é lar, estranho de energia
    Camera a filmar, eu vivia minha vida
    Não tinha nem ideia só queria era chapar
    E não sabia da plateia que ria de gargalhar
    E eu com isso irmão?
    E eu sei lá, eu sei que eu tava lá
    Sendo eu mesmo com as minhas alegrias e dores
    Pois eu não sou ator mas ao vivo
    o mundo todo via as cores da minha dor

    (Refrão)
    Eu estava lá
    (I've been there and my name is Gus)
    Camera a filmar
    (Don't discuss, don't discuss cuz)
    Meu irmão sei lá, sei lá see I)
    Sei que eu tava lá
    (I and I, eye-an-eye)

    Chorei lágrimas de encher uma piscina pro mergulho
    Por uma menina e de mim tenho orgulho
    Se me soubesse filmado eu teria atuado
    Aí sim perante Jah o meu filme tinha queimado
    O julgamento Dele é o que me preocupa
    E não o seu ou onde esconde as próprias culpas
    Porque eu não choro a esmo e não desperdiço as risadas
    Se fosse rir da sua cara tinha tempo é pra nada
    Esquece o meu nariz
    Respeito que não lhe diz, nem é da sua alçada
    A vida é tensa e intensa
    O que tu pensa ou não pensa a relevância é nenhuma
    Não pensa coisa alguma
    Portando não existe
    Pra pensar tem que existir
    E você come alpiste
    Eu penso logo não desisto e continuo firme
    Desde menino, conheço o diretor do filme
    E Ele é o divino
    Da vida como ela é
    Sem cortes e efeitos é sinistro mané
    Sem tocar no roteiro
    A vida são tribulações reais de um dia inteiro
    Vá e não seja você
    Represente, finja o que sente
    Quando não é observado como faz com a gente
    Com quem tá do seu lado
    A grua das gruas vai mais no alto
    E vê todas as ruas
    O operador é o Senhor
    Vê cada quarto, banheiro e corredor

    (Refrão)

    Cada quarto, banheiro, corredor e casa
    Inclusive as suas, Ele dá e corta asas
    Advogado que atua
    O criador de todos os atores e atrizes, Ele é o autor
    Há esperança nos vespeiros e nas crises
    Nas heranças e herdeiros verdadeiros e fingidores
    Eu não finjo dores talvez eu fuja delas
    Por isso eu caio em covis de cadelas
    Pelo que fiz eu quase paro na cova
    A vida é bela e nova e eu tive mais uma chance
    Vi a morte de relance porém
    Emanuel tava comigo
    Black Alien from hell do céu é amigo
    Eu rio no curso certo dele que nunca muda
    Tipo meu discurso de cueca aparecendo e caindo a bermuda
    Então não vem que tem
    Porque eu não morri
    Acabei eu fui embora
    Eu tô é muito bem
    Não quero nem saber quem é o MC da hora
    Eu tô na área
    Aqui eu sempre estive
    Rimando uma nova aurora
    Pro meu povo um pouco mais livre e que muito me conhece
    Já você nunca lideu com minha espécie
    Aqui não tem disputa bundão
    E muito menos tem ego
    Então escuta essa e vê se não esquece seu prego
    Já levantei e cai, cai e levantei
    Por todo ambiente eu levitei e te observo
    Se de novo me julgar vou te morder sem rosnar
    Eu não me enervo
    Falo na sua cara
    Eu falo a verdade
    Tem ambição demais
    E não falo de idade
    E ainda nem saiu de um ovo
    Talvez da casa dos pais
    Preste atenção rapaz
    Porque eu tô na paz
    Se tirar a minha criarás o próprio inferno
    Versarei sobre você
    E vou encher o meu caderno ou o meu HD
    O que quer que seja
    Tô fora de discórdia
    Tô fora de peleja
    Meu barco agora veleja outros oceanos
    Mais calmos mares, bons planos, sem tempestades
    A calmaria que se encontra em salmos
    E a mulher que amares de verdade a hora é agora
    E pra quem não saiba
    Essa é pra quem a carapuça caiba

    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Black Alien

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.