Belchior
Página inicial > MPB > B > Belchior > Balada de Madame Frigidaire

Balada de Madame Frigidaire

Belchior

Auto-Retrato


Ando pós-modernamente apaixonado pela nova geladeira.
Primeira escrava branca que comprei veio e fez a revolução.
Esse eterno feminino do conforto industrial
Injetou-se em minha veia...
Dei bandeira!
E ao pôr fé nessa deusa gorda da tecnologia
Gelei de pura emoção

Ora! Desde muito adolescente me arrepio
Ante empregada debutante
Uma elétrica doméstica, então... Que sex-appeal!
Dá-me um frio na barriga!
Essa deusa da fertilidade, ready-made à la Duchamp
Já passou de minha amante!
Virou superstar, a mulher ideal, mais que mãe
Mais que a outra... Puta amiga!

Mister Andy, o papa pop,
E outro amigo meu, xarope,
Se cansaram de dizer:
"Pra que Deus, Dinheiro, Sexo,
Ideal, Pátria, Família,
Pra quem já tem Frigidaire?"
É Freud, rapaziada
Vir a cair na cantada
De um objeto mulher.

Eu me consumo, Madame.
E a classe média que mame
Se o céu a prazo se der!

Mas que trocadilho infame!
La vraie "Ballade des Dames Du Temps Jadis"...
Ao contraire!

Que brancor no abre-e-fecha sensual
Dessa Nossa Senhora Asséptica!
Com ela saio e traio a televisao, rainha minha e de vocês!
Dona Frigidaire me com
But "No kids, double income!"
Filho compromete a estética!
Como Édipo-Rei Momo, como e tomo tudo dela...
Deleites da frigidez

Inventores de Madame Frigidaire, peço bis!
Muito obrigado
Afinal, na geladeira, bem ou mal
pôs-se o futuro do País.
E um futuro de terceira
posto assim na geladeira, nunca vai ficar passado.
Queira Deus que em fim da orgia
já de cabecinha fria, não leve um doce gelado!

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Belchior no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

ESTAÇÕES

ARTISTAS RELACIONADOS