Sopro

Apanhador Só

Meio que Tudo é Um


Cego, quero a breve luz do sol
Sombra me carregue
O tempo mede, o espírito me faz pesar

Corpo, boca, pele, ponto fim
Algo que nos vele
Infinito exato do que cederá

O que nos celebra sem saber
E quebra assim o que se saberá?
Mesmo que o sólido princípio da matéria seja bela forma
Que nos cega, luz estética que prega o fim é nada, nada

Será?

Plana, plena, etérea, eterna, singela
Mistério elementar
Certa de pavor e adoração
Nuvem de concreto que dissipará

Esse eterno vício de sentir na pele o fruto que nos comerá
Dentro desse círculo de vozes, faces, símbolos, futuro
Seja cura do efêmero princípio
Sopro do que rege tudo ou nada, nada

Será?

Compositor: Fernão

Letra enviada por Robson Avila

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Apanhador Só no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS