Página inicial > A > Antônio Miranda > Avenida Corrientes

Avenida Corrientes

Antônio Miranda


I
Da janela do Hotel Las Naciones
vejo pátios abandonados, janelas tristes
um terreno baldio transformado em estacionamento
uns senhores de paletó e gravata caminhando apressados.



Se eu busco, se eu vasculho o fundo da paisagem
o fundo da memória, perco-me entre transeuntes
e reencontro velhos amigos
e as imagens daqueles tempos de juventude.



Antes de dormir, ainda havia livrarias por visitar
recomendações de leituras
um beijo de despedida, novo encontro marcado.



Havia as esculturas de Kosice
o Grupo Madi, o ateliê de Louis Seoane
as gravuras de Castagnino para o Martin Fierro
e eu lia, com avidez, o ciclópeo Bomarzo
de meu amigo Manuel Mujica-Láinez.

Conhecia as fachadas, as portas talhadas
os letreiros, as vitrines, e havia sempre por descobrir!

II

Da janela do hotel vejo a passeata dos sem-teto
a passeata dos desempregados
a passeata dos aposentados
- uma em cada dia da semana
menos sábados e domingos
que são dias para a família
e para o tango. Para o amor
e para a fantasia.



No centro da Avenida
aquele obelisco onipresente , hierático
emblemático: pode ser uma espada
talvez uma vela, um falo
um ponto de exclamação
uma orientação vertical
ou mesmo horizontal.



Ou seria uma caneta
e com ela escrevo enquanto rememoro
aqueles passos errantes
aquelas alegrias compartilhadas
aquelas discussões políticas intermináveis
sobre a Utopia que acabou em repressão.



Mujica-Láinez depois exilou-se nas serras de Córdoba
e Cecília Vaquero figura, ainda hoje,
na lista dos desaparecidos do regime militar.



Não havia ainda Hotel Las Naciones
havia um jovem poeta brasileiro
de casaco surrado e a alma transcendida
pelo sonho, andando pela Avenida.

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Antônio Miranda no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS