Página inicial > A > Antônio Miranda > Anjos Pervertidos

Anjos Pervertidos

Antônio Miranda


Anjos descem dos altares e oratórios
e se despojam de túnicas e asas,
renegam ornamentos e paramentos,
saem à luz para a sua remissão.

À perversão como forma de exorcismo,
ao crime como última penitência,
maculando-se em busca da salvação.

Santos-de-pau-oco, de gesso,
santos assexuados à fogueira,
à execração por sua inutilidade.
Livres da maldição da ociosidade.

Que os corpos se enchafurdam na lama,
se maculem com suores e tremores
carnais, na cama, nos vergéis corrompidos.

Aos sofridos devaneios, aos calores
da condição humana e seus desvarios
aos desvios como direção de vida
— para o perdão divino e a santidade.

Que os anjos assumam sua culpa
e peçam desculpa por tanta hipocrisia,
pela soberba de se julgarem castos.

Que se saiba: anjos não são santos.

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Antônio Miranda no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS