A Vida e a Morte

André Luiz Araújo Vaz


Agora vou falar o que devia ter dito
Vou brilhar como uma estrela no céu
Não me toque, você não é um amigo
Eu vou me esconder num sonho de véus

A Vida a Morte são um coisa constante
Tem altos e baixos envolvendo os amantes
Alma de poeta mora muito distante
Enxerga portas, fotos e livros falantes

Vou resolver o que já foi resolvido
Aqui no meu país, ninguém é amigo
Polícia com polícia sempre deu em bandido!

A Vida a Morte são uma coisa constante
Têm altos e baixos envolvendo os amantes
Alma de poeta mora muito distante
Enxerga portas, fotos e livros falantes

E quando nosso poeta nasceu em 4 de Abril
Já tinha gente dizendo
Eu odeio o Brasil!

Letra enviada por André Luiz Araújo Vaz

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a André Luiz Araújo Vaz no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS