Peão

Almir Sater

Um Violeiro Toca


Diga você me conhece eu já fui boiadeiro
Conheço essas trilhas, quilometro, milhas
Que vem e que vão
Pelo alto sertão

Que agora se chama não mais de sertão
Mais de terra vendida, civilização
Ventos que arrombam janelas
E arrancam porteiras

Espora de prata riscando as fronteiras
Selei meu cavalo, matula no fardo
Andando ligeiro um abraço apertado
E um suspiro dobrado não tem mais sertão

Os caminhos mudam com o tempo
Só o tempo muda um coração
Segue seu destino boiadeiro
Que a boiada foi no caminhão

A fogueira a noite
Redes no galpão
O paieiro, a moda
O Mate, a prosa, a saga,a sina,o causo e onça
Tem mais não
Oh.. peão

Tempos e vidas compridas pó, poeira, estrada
Estórias contida nas encruzilhadas
E noites perdidas no meio do mundo
Mundão cabeludo onde tudo é floresta e campina silvestre
Mundão caba não

Sabe "prum" bom viajante nada é distante
"Prum" bom companheiro não conta o dinheiro
Existe uma vida
Uma vida vivida
Sentida e sofrida
De vez por inteiro

E esse é o preço "preu" ser brasileiro
Os caminhos mudam com o tempo
Só o tempo muda um coração
Segue seu destino boiadeiro
Que a boiada foi no caminhão

A fogueira a noite
Redes no galpão
O paieiro, a moda
O Mate, a prosa,a saga,a sina,o causo e onça
Tem mais não
Oh...peão

Compositor: Almir Sater/Renato Teixeira

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Almir Sater no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS