A Seca

Alceu Valença


Nas patas do meu cavalo, galopei no meu sertão
Vi a seca, vi a fome, lobisomem e assombração
Riacho virou caminho, graveto virou tição
E as pedras queimando em brasa, Asa Branca na amplidão

Nas patas do meu cavalo, galopei no meu sertão
Vi a seca, vi a fome, lobisomem e assombração
Riacho virou caminho, graveto virou tição
E as pedras queimando em brasa, Asa Branca na amplidão

Riacho virou caminho
De pedras ardendo em fogo
No poço secou a água
Menino morreu sem nome

Na Caatinga o homem chora
O boi que morreu de sede
A roça que era verde
A seca torrou garrancho

Riacho virou caminho
De pedras ardendo em fogo
No poço secou a água
Menino morreu sem nome

Na Caatinga o homem chora
O boi que morreu de sede
A roça que era verde
A seca torrou garrancho

Nas patas do meu cavalo, galopei no meu sertão
Vi a seca, vi a fome, lobisomem e assombração
Riacho virou caminho, graveto virou tição
E as pedras queimando em brasa, Asa Branca na amplidão

Senhor, mande chuva pro nordeste
Senhor, mande chuva pro sertão

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Alceu Valença no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS