Página inicial > Samba > A > Agepê > Canto do Engenho Novo

Canto do Engenho Novo

Agepê

Moro Onde Não Mora Ninguém


Eu sou nagô Oh Oh
Lá da Costa da Mina
Eu sou de lá, do lado de lá da maré (bis)

Carregando a minha sina
Fui levando a minha fé
Do açucar pra o ouro
Do ouro para o café
Cortaram a minha alegria
Mas nasceu outra raiz
Depois arrancaram o meu peito
E eu vivi da cicatriz

Exeiê Babá
Exeiê Babá
Olha eu trouxe vinho branco
Pro pilão de Oxalá

No candomblé do Engenho Velho
Eu entrei pra me benzer
Tinha palha pra descanso
E água fria pra beber
A água veio da fonte
A fonte eu não sei responder
Eu não sei responder
A menina da fonte é quem pode dizer
Se o azul é de Oxossi
O branco de babá Okê
Oxum bordou seu vestido
Com a cor do amanhecer
Oxum é uma criança
Que esqueceu de envelhecer
E toda vez que ela dança
A fonte para de gemer
Oraê ê lê ô
Ora lá ê lê ô

Compositor: Toninho / Romildo

Letra enviada por Scoralick

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Agepê no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS