Página inicial > A > Açúcar Mascavo > Vida na Guanabara

Vida na Guanabara

Açúcar Mascavo


Na beira do mar
Onde quem chora chora em paz
E de riacho um canal se faz

Mata a sede a sabiá
Numa poça suja que atrai uma criança sem pai
O Sol laranja se acanha e cai

E o marrom claro que pinta a água do mar
Vira clarão e passa a espelhar
Os braços cujos abraços vêm acalentar

Yemanjá, Yemanjá
Yemanjá, Yemanjá

Já te chamei mas não tenho vela pra acender
Nem vinho pra dar nem vender
A minha oferenda é te dar alguém

Que possa ver tanta cor sob o véu do mar
Que já escuro tratou de ofuscar
Os olhos de quem só quer amar

Não eu não quero tulipa branca
Não quero barco nem festa nem planta
Eu não quero festejar e ver outro ano passar

Já cansei dessa festa branda
E do encanto da voz de quem canta
Já cansei de ser orixá e de ajudar quem não dá

O seu redentor, um abraço aquela flor se desfez
Você que se esconde no mar, beata Yemanjá sem vez
A tarde sumiu no luar e o Sol teimou em não raiar

Yemanjá, Yemanjá
Yemanjá, Yemanjá
Yemanjá, Yemanjá
Yemanjá, Yemanjá

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Açúcar Mascavo no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS