Página inicial > A > A Euterpia > Lusco-fusco

Lusco-fusco

A Euterpia


Os compositores
Os poetas e infratores
Insistem em caluniar
Na canção maligna
Na frígida mortalha
De quem não sabe ocultar

Quando eu não tinha mais lamento
E andava feito um bobo sem tormento nenhum
Não que eu precise de desespero para viver
Mas levo teu córrego em minhas mãos
Estátuas espatifadas
De imperfeição adorada

REFRÃO:
O lusco-fusco da tarde
Te fluiu pra longe de mim
E a madrugada desajeitada
Te deixou tão úmida assim
REPETE REFRÃO...

Morre-se todo dia
Mas nasce-se no mesmo lugar
A gente se perdeu de novo
Melhor nem pensar em se achar
De tanto gesto lírico já estou meio engilhado
Camões que me perdoe, não sou Adamastor

REFRÃO...

Os compositores
Os poetas e infratores
Insistem em caluniar
Na canção maligna
Na frígida mortalha
De quem não sabe ocultar

Compositor: Marisa Brito

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a A Euterpia no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS