Muito mais que só letras de músicas

  • Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Na subida do morro me contaram
    Que você bateu na minha nêga
    Isso não é direito
    Bater numa mulher
    Que não é sua
    Deixou a nêga quase nua
    No meio da rua
    A nêga quase que virou presunto
    Eu não gostei daquele assunto
    Hoje venho resolvido
    Vou lhe mandar para a cidade
    De pé junto
    Vou lhe tornar em um defunto

    Você mesmo sabe
    Que eu sempre fui um malandro malvado
    Somente estou regenerado
    Cheio de malícia
    Dei trabalho à polícia
    Prá cachorro
    Dei até no dono do morro
    Mas nunca abusei
    De uma mulher
    Que fosse de um amigo
    Agora me zanguei consigo
    Hoje venho animado
    A lhe deixar todo cortado
    Vou dar-lhe um castigo
    Meto-lhe o aço no abdômen
    E tiro fora o seu umbigo

    Aí meti-lhe o aço, hum! Quando ele ia caindo disse:
    - Moringueira você me feriu!
    Eu então disse-lhe:
    - É claro, você me desrespeitou, mexeu com a minha
    nega.
    - Você sabe quem em casa de vagabundo malandro não
    pede emprego.
    - Como é que você vem com xavecada, está armado; eu
    quero é ver gordura que a banha está cara.

    Aí meti a mão lá na duana, na peixeira, é porque eu
    sou de Pernambuco de Olinda, cidade pequena, porém decente,
    peguei o Vargolino pelo abdome,
    desci pelo duodeno, vesícula biliar e fiz-lhe uma
    tubagem; ele caiu, bum
    todo ensangüentado;

    E as senhoras como sempre nervosas:
    - Meu Deus esse homem morre, moço.
    - Coitado olha aí está se esvaindo em sangue;
    - Ora minha senhora, dê-lhe óleo canforado,
    penicilina, estreptomicina crebiose, hidrazida e até
    vacina Salbe;

    Mas o homem já estava frio; Agora o malandro que é
    malandro não denuncia o outro, espera para tirar a
    forra.
    Então diz o malandro:

    Vocês não se afobem
    Que o homem dessa vez
    Não vai morrer
    Se ele voltar dou prá valer
    Vocês botem terra nesse sangue
    Não é guerra, é brincadeira
    Vou desguiando na carreira
    A justa já vem
    E vocês digam
    Que estou me aprontando
    Enquanto eu vou me desguiando
    Vocês vão ao distrito
    Ao delerusca se desculpando
    Foi um malandro apaixonado
    Que acabou se suicidando.

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Zeca Baleiro

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.