Muito mais que só letras de músicas

  • Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Porcaria, pisei denovo no piniquim de prástico que minha vó me deu
    Mais uma vez desse existir nessa mardita nesse sertão desgramado.
    Faze rima?
    Esse sujeito pensa que nóis é besta
    Mas eu vo mostra pra ele que besta eu num só mesmo
    Eu sei fazê até rap!

    Esse rap foi feito em riba de uma carroça
    não fala nada de nada, é um rap da roça.
    Meu nome é zé firmino,
    sou filho do "sordado"
    que agarrou à força
    a doida so sobrado.

    Cresci sem tomá todi,
    nunca andei de velotró,
    num bebi "mulção scot",
    nem tomei "carcigenó"!

    Cresci no sofrimento,
    a miséria me cercava
    garrei prantá cebola,
    prá vê se as coisa melhorava.

    mas a seca matô tudo,
    tentei criá galinha,
    os muleque pulou o muro
    e comeu minhas bichinha!(e nem usaro camisinha!)

    Prantei a mão num cara
    que era filho do prefeito,
    os poliça me espancaro
    no avesso e no direito

    tentei prantá mandioca
    nos terreno da mulata
    ela oió minha prantinha
    mando eu prantá batata!
    Eu pensei:-Eh, a vida é o cão de saia,
    prantá não é minha praia
    eu vou mudá, fui lá pro sertão do quixadá!

    Porque esse rap foi feito em riba de uma carroça
    não fala nada de nada, é um rap da roça.

    REFRÃO
    Esse rap eu escrevi no meio da minha palhoça,
    não fala nada de nada é um rap da roça.

    Fui trabalhá num sítio de um dotô coroné,
    o sujeito era esquisito, me fazia de muié.
    Eu fazia obrigação, era bão dona de casa
    mas a imaginação do sujeito criô asa,
    pedia beijo de língua, mas eu não dava!

    REFRÃO

    Teve um firme na cidade de um tar de lampião
    resolvi virá jagunço, dos mai ruim deste sertão,
    na primeira das tocaia, pra mostrá que eu era mar
    avistei Zé das lacraias, tasquei-lhe um tiro de sar
    o menino caiu morto, durinho no meio data
    morreutodo sargadinho, porque tinha pressão arta!
    Troquei a carga da espingarda, usei bala diliça
    veio dona Ermengarda com um balaio de lingüiça,
    tasquei-lhe um tiro certo na carcunda esquelética
    a véia caiu morta porque era diabética!(também, eu
    não
    tinha bala dietética)

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Zé Firmino

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.