Muito mais que só letras de músicas

  • Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Informações do Álbum Vamos Tirar o Brasil da Gaveta

    1. Mestre Carreiro
    2. Chico Mulato
    3. Minas Gerais
    4. Seresta
    5. Que Linda Morena
    6. Piracicaba
    7. João Carreiro
    8. Meu Cavalo Zaino
    9. Gostei da Morena
    10. Aquela Flor
    11. Boiadeiro Apaixonado
    12. Coração de Violeiro
    1. Campo Grande
    2. Eu a Viola e Deus
    3. Boiada Cuiabana
    4. Futebol da Bicharada
    5. Carrêro Bão-t
    6. Quando Meu Peito
    7. Faca de Ponta
    8. Memória de Carreiro
    9. Rancho da Serra
    10. Alpendre da Saudade
    11. Toada da Revolução
    12. Ingratidão
    1. Casinha de Paia
    2. Pomba do Mato
    3. Violeiro Triste
    4. Vaca Estrela e Boi Fubá
    5. Vide Vida Marvada
    6. Vou Buscar Boiada
    7. La Vai Minha Garça Branca
    8. Êta Nóis
    9. Folha Seca
    10. Caçada de Onça
    11. Deixei de Ser Carreiro
    12. Adeus Meu Pai
    1. Tip-tip-tim
    2. Balagulá
    3. Chapéu de Paia
    4. Avoa Jacutinga
    5. Flor do Cafezal
    6. Caçada
    7. Cabocla Tereza
    8. Psiu Psiu
    9. Felicidade
    10. Paulistinha
    11. Romance de uma Caveira
    12. O Sapo no Saco
    1. Ganga Bruta
    2. Meu Caboclo
    3. Êta País da América
    4. Novo Amanhecer
    5. Êta Mundo
    6. Seresta
    7. Dona Divergência
    8. Cevando o Amargo
    9. Doce de Cidra
    10. Tema pra Juliana
    11. Ventania
    12. Terno de Missa
    1. O Glosador
    2. Onde Anda Iolanda
    3. Minha História ( Gesu Bambino )
    4. Minha Viola
    5. Torturante Ironia
    6. Chico Boateiro
    7. Genoflexório
    8. O Santo de Cá
    9. Atitude
    10. Sentinela Alerta
    11. Choro de Consolação
    12. Pra 82
    1. Boneca de Pano
    2. Na Aldeia
    3. Não Manche o Meu Panamá
    4. Maria Boa
    5. Cabelos Brancos
    6. Você Já Foi a São Paulo?
    7. Chô... Chô...
    8. Meu Bairro Canta
    9. Vatapá
    10. E o Vento Levou
    11. Salve o Américo
    12. Brasil Pandeiro
    1. Resposta do Jeca Tatú
    2. Lenço Preto
    3. Crônica do Natal Caipira
    4. Minha Viola
    5. A Capelinha do Arraiá
    6. Porteira Abandonada
    7. Flor do Maracujá
    8. Frô do Maracujá
    9. O Pedido do Caipirinha
    10. O Último Presente
    11. A Vida do Homem
    12. Esmola pra São José
    13. Brinquedo de Escondê
    14. Chico Beleza
    15. As Três Lágrimas
    16. A Cascavé
    17. Final de Ato
    18. Pitoco

    x
    Ver discografia completa »
    Play
    PLAY

    A Resposta do Jeca Tatu

    Autor: Catullo da Paixão Cearense
    Intérprete: Rolando Boldrin

    Como diz o cabôco, diz qui, há muito tempo, um tal Senadô andô falano num jornal qualquer, qui o rocêro, o caipira, é... um priguiçôso, um indolente, um que só vive incostado... um punhado de coisas, enfim. O grande poeta Catullo da Paixão Cearense colocou, então, na boca de um desses brasileiros, lá do sertão, uma resposta... bem assim:

    Seu dotô, venho dos brêdo,
    Só pra mode arrespondê
    Toda aquela fardunçage
    Qui vancê foi inscrevê!

    Num teje vancê jurgano
    Qui eu sô argum cangussú!
    Num sô não, Seu Conseiêro.
    Sô norte, sô violêro
    e vivo naquelas mata,
    como veve um sanhaçu!
    Vassucê já mi cunhece:
    Eu sô o Jeca Tatu!

    Cum tôda essa má piáge,
    Vassucê, Seu Senadô,
    Nunca, um dia, se alembrô,
    Qui, lá naquelas parage,
    A gente morre de fome
    E de sêde, sin sinhô!

    Vassuncê só abre o bico,
    Pra cantá, como um cancão,
    Quano qué fazê seu ninho,
    Nos gáio duma inleição!

    Vassuncê, qui sabe tudo,
    É capaiz de arrespondê
    Quando é que se ouve,
    Nos mato,
    O canto do zabelê?

    Em qui hora é qui o macuco
    Se põe-se mais a piá?
    E quando é que a jacutinga
    Tá mio de se caçá?
    Quando o uru, entre as foiage,
    Sabe mais asubiá?

    Qualé, de todas as arve,
    A mais derêita, inpinada?
    A qui tem o pau mais duro,
    E a casca mais incorada?

    Hem?

    Vancê nun sabe quá é
    A madêra qui é mais boa,
    Pra se fazê uma canôa!

    Vancê, no meio das tropa,
    Dos cavalo, Seu Dotô,
    Oiano pros animá,
    Sem vê um só se movê,
    Num é capáiz de iscuiê
    Um cavalo iquipadô!

    Eu quiria vê vancê,
    No meio de uma burrada,
    Somente pur um isturro,
    Dizê, em conta ajustada,
    Quantos ano, quantas manha,
    Quantos fio tem um burro!

    Vancê só sabe de lêzes,
    Qui si faiz cum as duas mão!
    Mais, porém, nun sabe as lêzes
    Da Natureza, e qui Deus
    Fêiz pra nóis, cum o coração!

    Vancê nun sabe cantá,
    Mais mió qui um curió,
    Gemeno à bêra da istrada!
    Vancê nun sabe inscrevê,
    Num papé, feito de terra,
    Quano a tinta é o do suó,
    E quano a pena é uma inxada!

    Se vancê nun sabe disso,
    Num pode me arrespondê:
    Óia aqui, Seu Conseiêro:
    Deus nun fêiz as mão do home,
    Somente pra ele inscrevê

    Vassuncê é um Senadô,
    É um Conseiêro, é um Dotô,
    É mais do qui um Imperadô,
    É o mais grande cirdadão,
    Mais, porém, eu lhi agaranto,
    Qui nada disso siría,
    Naquelas mata bravia,
    Das terra do meu Sertão.

    A miséria, Seu Dotô,
    Tombém a gente consola.
    O orgúio é qui mata a gente!
    Vancê qué sê persidente?
    Eu sô quero ser...
    Rocêro e tocadô de viola!

    Você tem todo dereito
    De ganhá cem mil pru dia!
    Pra mió podê falá.
    Mais, porém, o qui nun pode
    É a inguinorânça insurtá,
    A gente, Seu Conseiêro,
    Tá cansado de isperá!

    Vancê diz que a gente
    Véve cum a mão no quêxo,
    Assentado, sem fazê causo das coisa
    Qui vancê diz no Senado.
    E vassuncê tem razão!
    Si nóis tudo é anarfabeto,
    Cumo é que a gente vai lê
    Toda aquela falação?

    Priguiçôso? Maracêro?
    Não sinhô, Seu Conseiêro!

    É pruquê vancê nun sabe
    O qui seja um boiadêro
    Criá cum tanto cuidado,
    Cum amô e aligria,
    Umas cabeça de gado...
    E, dipôis, a impidimia
    Carregá tudo, cos diabo,
    In mêno de quato dia!...

    É pruquê vancê nun sabe
    O trabáio disgraçado
    Qui um home tem, Seu Dotô,
    Pra incoivará um roçado...
    E quano o ôro do mío
    Vai ficano inbunecado,
    Pra gente, intoce, coiê,
    O mío morre de sêde,
    Pulo só isturricado,
    Sequinho, como vancê!

    É pruquê vancê nun sabe
    O quanto é duro, um pai sofrê,
    Veno seu fio crescendo,
    Dizeno sempre:
    Papai, vem mi insiná o ABC!

    Si eu subesse, meu sinhô,
    Inscrevê, lê e contá,
    Intonce, sim, eu havéra
    Di sabê como assuntá!
    Tarvêis vancê nun dexasse
    O sertanejo morrendo,
    Mais pió qui um animá!

    Pru módi a puliticaia,
    Vancê qué qui um home saia
    Do Sertão, pra vim... votá?...
    In Juaquim, Pêdo, ou Francisco,
    Quano vem a sê tudo iguá?...

    Priguiçôso? Madracêro?
    Não!.. Não sinhô, Seu Conseiêro!

    Vancê nun sabe di nada!
    Vancê nun sabe a corage
    Qui é perciso um home tê,
    Pra corrê nas vaquejada!
    Vossa Incelênça nun sabe
    O valô di um sertanejo,
    Acerano uma queimada!

    Vamicê tem um casarão!
    Tem um jardim, tem uma cháca.
    Tem um criado de casaca
    E ganha, todos os dia,
    Quer chova, quer faça só,
    Só pra falá... cem mirré!

    Eu trabáio o ano intero,
    Somente quando Deus qué!
    Eu vivo, no meu roçado,
    Mi isfarfando, como um burro,
    Pra sustentá oito fio,
    Minha mãe, minha muié!

    Eu drumo inriba de um côro,
    Numa casa de sapé!
    Vancê tem seu... ortromóvi!
    Eu, pra vim no povoado,
    Ando dez légua, de pé!

    O sór, têve tão ardente,
    Lá pras banda do sertão,
    Qui, in meno de quinze dia,
    Perdi toda a criação!

    Na semana retrasada,
    O vento tanto ventô,
    Qui a paia, qui cobre a choça,
    Foi pus mato... avuô!

    Minha muié tá morrendo,
    Só pru farta de mezinha!
    E pru farta de um dotô!
    Minha fia, qui é bunita,
    Bunita, como uma frô,
    Seu Dotô, nun sabe lê!

    E o Juquinha, qui inda tá
    Cherano mêmo a cuêro,
    E já puntêia uma viola...
    Si entrasse lá, pruma iscola,
    Sabia mais que vancê!

    Priguiçôso? He... Madracêro?
    Não... Não sinhô, Seu Conseiêro!...

    Vancê diga aus cumpanhêro,
    Qui um cabra, o Zé das Cabôca,
    Anda cantano esses verso,
    Qui hoje, lá no Sertão,
    Avôa, de boca em boca:

    (cantado)

    Eu prantei a minha roça,
    O tatu tudo cumeu!
    Prante roça, quem quisé,
    Qui o tatu, hoje, sou eu!

    Vassuncê sabe onde tá o buraco
    Adonde véve o tatu esfomeado?
    Han?... Tá nos paláço da Côrte,
    Dessa porção de ricaço,
    Qui fêiz aquele palaço,
    Cum sangre do disgraçado!

    Vancês tem rio de açude,
    Tem os dotô da Ingêna,
    Qui é pra cuidá da saúde...
    E nóis?... O qui tem? Arresponda!

    No tempo das inleição,
    Qui é o tempo da bandaiêra,
    Nós só tem uma cangaia,
    Qui é pra levá todas porquêra,
    Dos Dotô Puliticáia!...

    Sinhô Dotô Conseiêro,
    De lêzes, eu nun sei nada!
    Meu derêito é minha inxada,
    Meu palaço é de sapé!
    Quem dá lêzes pra famía
    É a minha boa muié!

    Vancê qué ser persidente?
    Apois, seja!
    Apois seja, Meu Patrão!
    A nossa terra, o Brasí,
    Já tem muita inteligênça,
    Muito home de sabença,
    Qui só dá pra... ó, ispertaião!
    Leva o Diabo, a falação!
    Pra sarvá o mundo intêro,
    Abasta tê... coração!

    Prus home di intiligênça,
    Trago comigo essa figa:
    Esses home tem cabeça.
    Mais, porém, o qui é mais grande
    Do que a cabeça... é a barriga!

    Seu Conseiêro... um consêio:
    Dêxe toda a birbotéca dos livro!
    E, se um dia, vancê quisé
    Passá ums dia de fome,
    De fome e, tarvêiz de sêde,
    E drumi lá, numa rêde,
    Numa casa de sapê,

    Vá passá comigo uns tempo,
    Nos mato do meu sertão,
    Que eu hei de lhe abri a porta
    Da choça... e do coração!

    Eu vorto pros matagá...
    Mais, porém, oiça premêro:
    Vancê pode nos xingá,
    Chamá nóis de madraçêro.
    Purquê nóis, Seu Conseiêro,
    Nun qué sê mais bestaião!
    Não!.. Inquanto os home di riba
    Dexá nóis tudo mazombo,
    E só cuidá dos istombo,
    E só tratá di inleição...

    Seu Conseiêro hái de vê,
    Pitano seu cachimbão,
    O Jeca-Tatu se rindo,
    Si rindo... cuspindo
    Sempre cuspindo,
    Co quêxo inriba da mão!

    Eu sei que sô um animá,
    Eu nem sei mêmo o que eu sô.
    Mais, porém, eu lhe agaranto
    Qui o qui vancê já falô,
    E o qui ainda tem de falá,
    O qui ainda tem de inscrevê,
    Todo, todo o seu sabê,
    E toda a sua saranha...
    Não vale uma palavrinha,
    Daquelas coisa bunita,
    Qui Jesuis, numa tardinha,
    Disse, inriba da montanha!...

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Rolando Boldrin

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.