Muito mais que só letras de músicas

  • Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Mais sobre
    Siga o Vagalume
    Twitter Google+ YouTube Tumblr
    Publicidade

    Vale conhecer: A MPB Pop de Daniel Chaudon

    Confira entrevista com o cantor amigo de Maria Gadú e Alinne Moraes

    Há 2 anos da Redação

    Daniel Chaudon letras

























    Daniel Chaudon está lançando o seu primeiro disco Me Conta Uma Música. Mas ele não é exatamente um novato. Além de anos ralando em barzinhos - e de ter no CV coisas como a participação em um coral que cantou com Roberto Carlos para o Papa João Paulo II - ele também participou de uma das edições do programa FAMA da Globo. O cantor que nasceu em Brasília, mas que vive no Rio conta com alguns amigos famosos e alguns deles estão presentes no disco. Maria Gadú, os dosi se conheceram quando ela era ainda desconhecida e Mart'nália cantam com ele e a atriz Alinne Moraes o ajudou a fazer a letra de Luzia. Sobre esses assuntos e outros mais o cantor falou com o Vagalume. o resultado está logo aí.


    Provavelmente muita gente lembra de você da época do Fama. Vamos começar falando sobre o que você fazia antes de se inscrever no programa e do que fez depois até a gravação do álbum.
    CHAUDON - Bem, antes do programa fazia o que sempre fiz e sigo fazendo: experimentando, aprendendo, errando. Toquei anos pela noite, acho que é uma escola pro músico, lidar com todos os tipos de público, ampliar o repertório, atender pedidos... enfim. Durante minha estadia no programa, tive muitas aulas geniais, de segunda a sexta a gente tinha atividade o dia inteiro. Amadureci bastante em meses, fora a exposição, que acaba sendo uma vitrine. Após o programa, aproveitei o público curioso pela minha imagem e aparição como cantor fazendo meu show, cantando as canções que eu escolhia, já que no FAMA éramos intérpretes de uma seleção feita por eles. E foi assim... até chegar nesse primeiro filho que acaba de se lançar por aí.

    A Maria Gadú é uma das convidadas do disco. Essa amizade vem de quando ela não era famosa né? Como vocês se conheceram?
    CHAUDON - Conheci Maria num bar que ela cantava, perto de onde eu morava, aqui no Rio, na Barra, antes do primeiro disco dela. Fiquei apaixonado pelas canções, pela simplicidade, por ela toda. E através dela fui conhecendo uma turma deliciosa, que hoje são amigos queridos, parceiros, companheiros.

    DivulgaçãoDaniel Chaudon letras
    E como foi que você transformou a Alinne Moraes em letrista? Acha que daqui a pouco ela poderá mudar de profissão? (risos)
    CHAUDON - A Alinne já escrevia mas eu não conhecia, ela não mostrava. Um dia apareci com uma letra que não conseguia terminar. Contei a história da música, sobre a senhora Luzia, que havia me inspirado e ela finalizou em poucos minutos.

    Alinne escreve coisas lindas, densas, fala de infância, de tudo, muitas cores. Pode sim vir a ser autora, pelo menos pra mim. Ainda vamos escrever mais juntos. É uma maneira de exorcisar também. Uma espécie de cura, escrever, fazer música. Faz bem.

    O seu disco é marcado por um grande ecletismo. Tem reggae, pop, mpb e você posa com camisetas de Johnny Cash e David Bowie no encarte. Sua ideia sempre foi em não se prender a nenhum estilo ou achou legal que por esse ser um primeiro disco era uma boa mostrar várias de suas facetas?
    CHAUDON - Não teve ideia. Nem me preocupo com isso. Faço esse som agora, é meu cenário atual, é um estado de espírito tudo isso. A loucura é que de repente vira um disco, ali, pra sempre. Então meu exercício é me desapegar do disco e seguir gostando de tudo um pouco. Música em geral, não tem estilo. É de acordo com o momento mesmo, e os meus parecem ser feitos de muita mistura. Gosto disso. É o que tem pro momento (risos).

    Os créditos do álbum mostram que você gosta de compor com diversos parceiros (são pelo menos dez nomes). Porque essa opção pela diversidade?
    CHAUDON - Não foi uma opção. São parceiros e cúmplices desse trabalho mesmo. Esse disco foi feito com amigos, a partir de muitas experiências. Toda uma caminhada com cada um deles. É genuíno, aconteceu. E sou muito feliz por ter tantas parcerias deliciosas assim. Que venham mais!

    Daniel Chaudon letrasMe Conta Uma Música
    No geral você compõe mais com mulheres. Acredita que elas trazem um olhar diferente para as canções ou isso é só uma coincidência?
    CHAUDON - Não sei, acho que desde criança me entendo melhor com as mulheres. Fui criado pela minha mãe, depois minha avó.

    Sempre tive facilidade em fazer amizade com as meninas. Gosto da energia feminina, tenho um respeito pela mulher, pela figura materna. Sei lá. Mas é natural. Também me dou bem com os homens... é uma coincidência talvez, nesse caso do disco.

    A regravação de Borbulhas de Amor (uma versão de Juan Luis Guerra famosa na voz de Fagner) também é uma surpresa até por ser uma música taxada de brega (apesar da versão ser do poeta Ferreira Gullar, coisa que a maioria não deve saber). Porque escolheu cantar essa música em particular? Nos shows você canta outras músicas mais conhecidas do grande público?
    CHAUDON - Essa música foi um presente. Alguns dos músicos que gravaram o disco e que tocam comigo, também tocam com o Fagner. Daí, no dia em que eu estava pesquisando canções para regravar, eles sugeriram essa. Eu não tinha intimidade com ela, lembrava do refrão mas não conhecia a fundo. Puxei a letra e imediatamente decidi que queria. A letra meio que me traduziu naquele momento sabe. Foi assim, ela me escolheu. No show, canto também Back To Black da Amy Winehouse, O Velho E O Moço dos Los Hermanos e Ficar Com Você, que também está no disco, fez sucesso com a Banda Cheiro de Amor.

    Daniel Chaudon letrasO DVD Sarau que tem Chaudon e outros nomes da nova MPB
    Você acha que está encaixado em alguma cena dentro da nossa música? Quem seriam os seus, digamos, colegas?
    CHAUDON - Encaixado eu não sei (risos). Vou fazendo a minha cena, apresentando um pouco do meu mundo, aos pouquinhos. É tanta coisa pra descobrir, pra experimentar. E trabalhar com música é um terreno de tantas possibilidades infinitas. Preciso de apoio dos amigos e tenho os meus, que são sagrados!

    Fale também do projeto "Sarau" (um cd/dvd que está sendo lançado e que junta uma série de novos artistas da MPB como o próprio Chaudon e nomes como Fred Sommer, Toni Ferreira e Taís Alvarenga).
    CHAUDON - Uma delícia. Poxa, estar ali no meio dessa turma é uma maravilha, uma alegria!! Cada um com sua singularidade, um universo melódico. Tudo tão simples, tão bonito. Ficou lindo o resultado, as imagens, tudo tão delicado.
    A gente tocou como sempre toca, como se estivesse em casa, mostrando as canções pros amigos. Virou DVD e tá aí, pra quem quiser adotar. Me orgulho de poder estar perto dessa galera, crescendo juntos.

    Para encerrar qual música do álbum você acha ser a ideal para apresentá-lo para quem ainda não te conhece?
    CHAUDON - Que difícil, tinha que ter essa parte (risos). Bem, acho que Solo em Companhia. Me faz bem essa música, também por ser mais acústica. Me faz carinho, diz muito sobre mim, tem muitas imagens. Enfim, não dá pra explicar. Escuta aí (risos).

    Comente